Tabapuã traz Programa de Melhoramento Genético de Zebuíno para a Expo Rio Preto

Na próxima sexta feira, dia 20, na pista de julgamento da 54ª Expo Rio Preto, a raça Tabapuã promove uma palestra sobre o Programa de Melhoramento Genético de Zebuino – PMGZ, com o Técnico da ABCZ, João Eduardo.
IMG-20150223-WA0014

PMGZ: a sigla da produtividade

Aumentar a produtividade da pecuária tem sido um dos principais desafios dos produtores rurais brasileiros. Para auxiliar os criadores no aumento da produtividade, a ABCZ (Associação brasileira dos Criadores de Zebu) disponibiliza aos criadores em todo o Brasil, o PMGZ (Programa de Melhoramento Genético de Zebuínos).
O PMGZ auxilia os criadores no processo de seleção da fazenda, identificando os bovinos mais precoces, férteis, de melhores índices de ganho de peso ou de produção leiteira. Além de agregar valor ao rebanho, tem a vantagem de diminuir o custo de produção por unidade de produto e melhorar a relação custo/benefício. O programa disponibiliza ao mercado informações genéticas consistentes que atestam as performances dos rebanhos inscritos em suas provas zootécnicas, como Controle de Desenvolvimento Ponderal, Provas de Ganho em Peso e Controle Leiteiro.
“Podemos dizer que menos de 10% dos pecuaristas brasileiros utilizam o melhoramento genético como ferramenta no seu dia a dia. E, por isto, este é o grande desafio para a ABCZ nos próximos anos. Queremos entregar um programa capaz de ajudar na prática os produtores no seu dia a dia. Este é o sentido do melhoramento genético, identificar e selecionar os melhores animais, aqueles capazes de aumentar a produtividade e consequentemente aumentar o lucro da propriedade. A ABCZ está investindo muito no melhoramento, desde contratação de consultorias especializadas e qualificação do seu corpo técnico, até na forte promoção do programa. Precisamos contar com o apoio dos produtores para alavancar o programa. Sabemos que quanto maior a base de dados melhor à qualidade do número, por isso, é muito importante que todo participem”, afirma o presidente da ABCZ, Luiz Claudio Paranhos.
Completando 21 anos em 2014, o PMGZ conta com uma base de dados que começou a ser construída em 1968. Desde então, foram estudados 1,8 mil rebanhos. Hoje o programa é constituído por 200 mil matrizes ativas e tem a entrada de mais de 230 mil novos animais por ano. Em volume, já deixou para trás a marca dos 9 milhões de indivíduos avaliados – o maior banco de dados de raças zebuínas do mundo.

Para os criadores de raças zebuínas leiteiras, a ABCZ disponibiliza especificamente o PMGZ Leite. A base de dados do programa é do Controle Leiteiro da ABCZ, que foi iniciado em 1976 e tem atualmente 750 rebanhos inscritos.
Os criadores que aderem ao PMGZ Leite podem consultar as tendências genéticas de evolução do rebanho próprio e comparar com a evolução da raça em nível nacional, conduzir os acasalamentos de forma que sejam privilegiadas determinadas características desejáveis para a seleção, pesquisar todo o seu plantel de touros, vacas e animais jovens, além dos touros de acesso público. Além disso, é possível monitorar o coeficiente de endogamia e estabelecer as melhores estratégias genéticas e econômicas para o futuro do plantel.
Uma das metas do PMGZ Leite é conscientizar o criador da importância de fazer a pesagem do leite de todas as vacas do rebanho que são trabalhadas na seleção do zebu leiteiro. “Temos uma preocupação forte com o controle leiteiro seletivo que é um fator de impacto negativo na precisão e na confiabilidade das avaliações genéticas. Nossa intenção com esse pacote de informações para a gestão e seleção do rebanho somado aos novos valores de investimento, é tornar o sistema atrativo de forma que os criadores passem a controlar todo o rebanho”, diz o superintendente Técnico da ABCZ, Luiz Antônio Josahkian.
Como forma de estimular a adesão dos associados, a ABCZ oferece descontos escalonados nos valores do PMGZ Leite. A promoção prevê abatimento de 50% no valor do Relatório Individual de Lactação (RIL) que é de R$ 90,10 por animal. Esse desconto é para a faixa inicial, onde estão os criadores com até 51 fêmeas em lactação e a porcentagem sobe conforme aumenta o volume de animais controlados.
A palestra acontece na pista de julgamento as 9 horas.

Fonte: Carla Prado e ABCZ